Qualidade ou quantidade: Gastar mais em um único produto ou escolher vários de menor preço

Eis um dilema grave, que envolve dois aspectos, preço e qualidade. Às vezes você deve tomar a decisão de: sacrificar a quantidade de produtos em base a um custo monetário alto, mas, com isso, procurar obter excelência e graus de cumprimento com relação aos objetivos do referido produto, certo?
Então, o que é melhor? Grande quantidade de produtos o grupo a graus de satisfação médio e “baratos” ou altos preços que impliquem menor quantidade de produtos, mas a maior satisfação.
Observa o seu orçamento e necessidades em relação ao oferecido pelo produto
Essas questões tendem a ser difíceis de responder, mesmo para grandes empresários ou consumidores freqüentes. A qualidade é o princípio de compra, mas você deve observar o seu orçamento e entender o próprio conceito do que é “qualidade”.
Em relação a isso, a norma ISO 9001 estabelece que: “a qualidade é A integração das características que determinam em que grau um produto satisfaz as necessidades do consumidor”.
Além disso, a quantificação da qualidade é algo subjetivo, em certos casos, por isso, adquirir produtos baseados em opiniões ou “dicas de outros usuários” não costuma ser tão eficaz. Para isso foram estipulado diversas normas, como a anteriormente mencionada da ISO e outros entes internacionais.
Pesquisas e estudos têm sido capazes de determinar que produtos que, muitas vezes, custam até três vezes mais que a concorrência, acabam não sendo, de todo, cumpridores. Em prol disso, também existem exemplos visíveis perante a maioria, como a comparação entre os mercados asiáticos e ocidentais, onde por “mudar o nome” de uma marca asiática por seus homólogos ocidentais, o preço aumenta, sem ter benefícios ou mudanças no acabamento de produtos (isso abrange áreas de tecnologia, têxtil, e outros). É o que se conhece como Re-branding.

Em adição, os preços baixos não significam que o produto seja de má qualidade, não obstante, pode acontecer que, para reduzir custos de produção e outro tipo de processos (transporte, marketing) não se submeta a testes de certificação ou padrões sujeitos a qualidade. Portanto, fazer uma compra procurando quantidade com preço baixo é saber que será um produto sobre uma corda bamba, que, nesse sentido, será o tempo de duração ou tempo de vida útil.

A nível empresarial ou particular, a quantidade pode ser aliviane em momentos determinados
No âmbito de um comprador particular, o de adquirir uma grande quantidade de produtos pode significar que você vai comprar apenas para que seu uso se estenda maior quantidade de tempo”, enquanto economiza para gastar de um só golpe, uma soma maior quantidade em relação ao que for comprado com antecedência.
O exposto acima é uma estratégia muito utilizada, especialmente se você pretende testar ambos os tipos de produtos, o ideal e, posteriormente, o de maior valor. Em algumas ocasiões o primeiro mencionado é o que mais agrada ao público! Por isso, novamente, indicamos, a qualidade pode ser subjetiva.
Dentro das empresas a situação de compra de produtos deve estar ligada às necessidades econômicas, seja para aumentar ligeiramente a produção ou melhorar as condições de sua força de trabalho.
Os negócios que estejam passando por um declínio da produção e garante produtos de forma rápida (aquisição de insumos, matéria-prima processada, serviços) podem optar pela quantidade antes que a qualidade, mas claro, sempre tomando tudo como uma etapa transitória, já que “a qualidade é sinônimo de lealdade do cliente”.
Isso, no entanto, não deve ser tomada de ânimo leve e o CEO deve avaliar todas as variáveis em jogo. O uso de estatística preditiva pode ser valioso aqui, e ver o comportamento de um produto recém-adquirido através de longo prazo.

Eu gasto todo o meu dinheiro em um produto e não cumpre com o que promete o Que eu faço?
O que acontece se, ao comprar algo de alto valor não cobre as minhas expectativas? Os produtos com garantia costumam dar um tempo de vida útil ou validade (roupas, por exemplo, tem um número finito de lavadas), de não ser atingido, e sentir que você foi “enganado”, pode recorrer aos serviços de um advogado e fazer a denúncia.
Além disso, a experiência em tais situações, é uma mestra infalível, uma vez que gastou grandes somas em produtos que acabam não sendo o que dizem ser, Por que voltar a comprá-lo? De facto, nestas situações é quando se aplica o que foi dito anteriormente em relação à qualidade e fidelidade do produto.
Espero que tenha sido de grande ajuda este artigo, e lembre-se: primeiro analisa o orçamento, suas necessidades e se você pretende dar uso a longo ou a curto prazo o adquirido, se é no âmbito empresarial, tome muito mais cuidado, já que se poderia pôr em jogo a reputação de sua empresa, e não falamos dos clientes externos, mas os internos, ou seja, o seu modelo de trabalhadores.

Por: Alexandre Jose Silva

Receba os Nossos artigos em sua caixa de correio electrónico. Junte-se a nossa comunidade, é grátis.

Nome

Endereço de email: