Pecados do supermercado: você Pode resistir à tentação?

Acabei de jogar no lixo 200 gramas de mortadela… Sim, eu sei. Isso é muito ruim. A comida não se tira! Mas, se já lhe saiu pelito… talvez seja o momento, não é?
Poderia perfeitamente culpar a charcutero do super. Eu ia por lombo e saí também com mortadela (que, aliás, não costumo comer). “Esta mortadela é de Bolonha, nunca temos o hábito de levá-la e… olha, olha! Hoje, além de tê-la, temos em oferta. Porque olho, que custa 5€ o quilo e hoje temos a 3,10€”
Acho que minha cabeça localizou rapidamente a poupança e… “Venha, pois, aparecer 200 gramas, para testá-lo”.
Isso fará duas semanas. E lá seguia o saquinho de mortadela. A noite daquele dia o abri para experimentar uma fatia mas, a verdade é que já não me voltei a acordar, nem que ele estava. Teve pouco sucesso, a verdade (que eu não digo que seja má, mas desculpe, eu sou mais de lombo ¡je!)
Neste caso, é como se tivesse puxado 0,62 cêntimos para o lixo. Também não é um número alarmante, o são. Mas, quantas vezes terei comprado coisas que eu acabei puxando? Esse terrível impulso de comprar por comprar… Ao final é como ir puxando cêntimos por a vida como se fossem doces!
Então eu decidi que já não mais compras desnecessárias no super. A chave está em mentalizarse, saber o que vamos sair com aquilo a que estávamos. NADA MAIS. E para isso, nos últimos dias que tenho frequentado o supermercado, eu tenho analizándome para saber quais são meus pontos fracos. Os meus e os de todo ser humano (nós que não somos de pedra e a comida nos perde!).
Os pecados capitais do super
Especificamente eu detectado 3 pecados capitais e proposto um plano de estratégia anti-compra para cada um, então, hoje, eu gostaria de compartilhá-los contigo:
1. O “bichinho” …
O pior erro do mundo, é ir ao supermercado com um pouco de fome. É um erro, pois tudo nos parece tentadora, e, mais especificamente, é o pior dos erros, porque, como se uma força invisível se tratasse, a nossa mão, corre diante de produtos que não estão em nossa lista de compras.
Resultado: Se na lista tínhamos apontadas 5 coisas, sairemos com várias mais e, até mesmo, com a emoção do nosso bichinho interior, é provável que nos esqueça até comprar tudo o que tínhamos apontado na lista e que, em troca, era necessário!
O que fazemos com isso? A regra de ouro é não recorrer jamais os jamases a comprar, se não tivermos comido bem antes. Porque, por exemplo, ir em jejum pode ser um completo caos. Assim, a recomendação é recorrer após a refeição. É a única forma de que o bichinho se entreter com tudo o que temos lançado, e deixe-nos fazer a compra tranquilitos.
“3065”]
2. Cair na isca
É certo que pequemos de “ser um peixe no anzol” se formos ao super com fome. Porque, se em cima do que é impossível calar o bichinho, dão-nos com o mel nos lábios, a nós empacotado boa.
Mas, outras vezes, sem querer, também podem nos dar a provar de um produto e ajudar-nos a evitar ele. Nem sempre o que nos dão a ser testada é a comida, também pode ser um novo café com aroma a “nosequé”, qualquer produto de limpeza ou um aparelho que faça a comida sozinha. Qualquer coisa que nos mostre um vendedor com grande poder de convicção, terminará em nossas mãos, se nos deixamos levar.
Resultado: Um produto que não precisamos e que possivelmente não tenha tantas qualidades como nos prometeram no super. E o pior, temos gasto dinheiro em algo que não precisávamos.
O que podemos fazer? Nestes casos o melhor é ter a mente bem fria e não se deixar levar: será que eu preciso? Não. Assim, o melhor será dar meia-volta e não comprá-lo. Pensemos na mortadela que acabou no lixo, e procuremos que esta imagem não se volte a repetir.
3. As ofertas absurdas
Há uma coisa que me chifla. Aquele momento em que você chegar a um supermercado e câmbio, à distância de um corredor de um cartelón de ofertas incrivelmente gigante em que se pode ler “Tudo a 1€”. O que costumam fazer muito frequentemente no Carrefour, mas também o tenho visto em outros estabelecimentos.
Nestas seções, há latas de conserva, picles, canetas, pilhas, baterias, plantas, sabonetes… há de tudo! Por isso já não vale com que o bichinho já venha alimentado de casa. Se não é comida, entram necessidade de comprar outras coisas.
Resultado: Minha última aquisição foi um post-it de cores, vinha um monte e, por 1 real… uma pechincha, de que não se repetem, vamos lá! Ou, pelo menos, isso devia pensar eu ao comprá-lo. A verdade é que nem precisava, nem tinham um preço do outro mundo…mas a febre do real, é a febre do real.
O que fazemos para evitar esta seção?: A não ser que você precise comprar um pacote de pilhas, e você acha que pode encontrá-lo lá, é aconselhável passar ao largo. Normalmente nada do que lá aparece costuma ser uma verdadeira barganha, o que é melhor seguir o nosso caminho, a lista de compras na mão, e o nosso bolso vai agradecer.
Você é forte!
Como você vê, o supermercado está cheio de tentações que se convertem em verdadeiros fastidios para o nosso bolso e para a nossa economia. E se conseguir evitá-los, teremos conseguido economizar e levar a bom porto o objetivo de Dinaru.
Além disso, como sempre, em nossos comentários pode contar as histórias de seus pecados no super. Teremos o maior prazer de partilhar connosco as suas experiências e, é claro, de responder.

Deixe um comentário