O que são os fundos de repartição?

Dentro do amplo espectro de fundos de investimento que existem no mercado, dependendo de se você segurar o desempenho ou distribuem, você pode distinguir entre fundos de repartição ou fundos de investimento de acumulação.

Como tudo na indústria de fundos, os fundos de repartição, tiveram seu momento de glória, quando há alguns anos ficaram na moda. Focados para investidores especialmente conservadores que desejavam receber uma cobrança jornal, muitas instituições financeiras encheram de elogios a este tipo de fundos e atraindo um volume de investidores importante.

Era uma forma de agradar ao investidor de prazo fixo de toda a vida, levando-o para o veículo de investimento que mais interessava aos bancos. Pois os fundos de repartição como qualquer outro fundo, deixavam suculentas comissões de gestão e depósito, enquanto contentavam aos seus investidores tradicionais, com receitas recorrentes em conta.

Era um momento em que as taxas de juro a prazo fixo tinham começado a descer significativamente e a renda fixa ainda oferecia retornos atraentes. Mas os fundos de repartição têm uma desvantagem muito importante frente aos tradicionais papéis de acumulação.

Uma das principais vantagens dos fundos de investimento, é a perda divergência fiscal dos rendimentos. De tal modo que até que não reembolsas, não tem de pagar por tudo o que ganha. E isso te permite ir mudando de um fundo para outro, ou de um comercializador para outro sem ser tributados.

No entanto, os fundos de repartição de rendimentos ou dividendos, não o aproveitam. Porque eles têm o compromisso de fazer alguns pagamentos trimestral, semestral ou anualmente, de acordo com o que marquem as condições particulares do fundo.

Algo que está muito bem, se você é daquelas pessoas que quer ver o que você ganha em conta e se não recebe desempenho se estresa, porque até que não vende nem ganha nem perde.

A não ser que tenha um rendimento muito baixos e não esteja normalmente obrigado a fazer a declaração do imposto de renda ou se saia a devolver, a contratação de um fundo de repartição pode ser uma soberana bobagem. Nos casos acima mencionados, recuperarías as retenções de IRPF praticadas sobre os rendimentos, ao apresentar o imposto sobre a renda.

Não obstante, qualquer consultor financeiro se dirá, que, para um patrimônio financeiro a médio e longo prazo, a melhor ferramenta para canalizar os investimentos são os fundos de investimento em geral, mas é claro que estes serão de acumulação.

Por quê? Muito simples. Em primeiro lugar, o já comentado de expor periodicamente os ganhos e fiscalizarlas. Fazendo perder o fundo de investimento de todo o apelo como veículo de investimento.

Em segundo lugar, sabe-se que a médio e longo prazo, a não reinvestimento de lucros ou dividendos de investimentos, minora significativamente os resultados ao fim de uma série de anos.

Isto é assim porque se quebra a magia da capitalização e juros compostos. Que faz que, por acumulação de rendimentos sobre rendimentos, causar um efeito bola de neve, que faz aumentar a taxas crescentes, o resultado final de um investimento.

De apontar que, embora os fundos de repartição são idealizados sobre investimentos baseadas em renda fixa, também os há mistos e cem por cento de renda variável. Todos eles são conhecidos como fundos de distribuição, mas no caso de renda variável, pode dar-se o caso de que não devidos pagamento, se não obtiveram ganhos, ou não receberam dividendos por parte dos valores que compõem a carteira.

Em qualquer caso, sob o meu ponto de vista não os vejo recomendáveis. E, como alternativa, lembro-lhe que em um dado momento, você também pode definir um reembolso jornal sobre qualquer fundo, do mesmo modo que você pode definir uma quantidade de assinatura fixa todos os meses.

Então se o motivo é a necessidade de gerar fluxos para atender compromissos de pagamento ou de consumo, isso tem solução. E no caso de haver benefícios implícitos, deste modo, a tributação é proporcional ao reembolso e benecito expressa que se materializa em cada pagamento.

Como você vê os fundos de repartição, se bem concebidos a demanda de um determinado perfil de investidor, não tem muito atrativo do ponto de vista das vantagens do investimento através de fundos.

Deixe um comentário