O que empréstimos me podem servir para fazer frente ao imposto de sucessão?

Quando morre um familiar muito próximo, como pode ser o nosso pai, mãe, irmão… nos vemos na situação de ter que fazer um monte de papeladas e, acima de tudo, fazer frente a um imposto estabelecido pelo Estado chamado imposto de sucessão. Esta contribuição tem um custo muito diferente em cada Comunidade Autónoma do país, deixando Astúrias, Andaluzia como as duas mais caras e as Canárias e do País Basco como as mais baratas. Em qualquer caso, se não houver liquidez suficiente para fazer face a esta taxa, podemos recorrer a diferentes empréstimos para poder paga.
O empréstimo de permite obter até 300.000 € para o que precisares
No caso de que sofram a perda de um familiar, temos que lidar com o imposto de sucessão, com um montante muito elevado e não temos capital suficiente, podemos recorrer a empréstimos com garantia hipotecária.
Utilizando estes produtos, podemos obter grandes somas de dinheiro sem a necessidade de justificar a finalidade para a qual precisamos. No entanto, devemos ser conscientes de que, para ter acesso a eles, é necessário que dispomos de uma moradia na propriedade e que a utilizemos como garantia. Portanto, em caso de incumprimento de alguma das condições do contrato, como, por exemplo, cair em um calote perder a casa.
Assim é o empréstimo com garantia hipotecária de , já que nos permite obter até 300.000 €, com um custo de 12,68 % TAE e com um prazo de reembolso máximo de até 20 anos.
Solicitar Empréstimo com Garantia Hipotecária de
Além disso, este intermediário financeiro nos oferece a opção de solicitar uma carência de capital de até 5 anos, ou seja, poderemos adiar o reembolso do empréstimo com garantia hipotecária, durante 5 anos, no caso de que necessitemos.
Finalmente, cabe destacar a grande flexibilidade que esta empresa oferece, já que podemos obter o empréstimo, embora figuremos em um arquivo de padrões como ASNEF, não temos uma folha de pagamento mensal…
Quais outras medidas financeiras devemos tomar quando morre um familiar?
Embora tenhamos conseguido liquidar a dívida adquirida com o imposto de sucessão, não podemos nos esquecer de que teremos de gerir e organizar o resto de produtos financeiros que tivesse contratados e em vigor a pessoa que morreu como podem ser contas bancárias, crédito ao consumo, cartões, etc.
É recomendável que saibamos como gerenciar tudo isso e, acima de tudo, que o façamos com a maior brevidade possível. Por isso, em seguida, facilitamos a guia gratuito elaborada por especialistas de Blog Economizando “Como gerir as contas de um morto”.
Graças a esta ferramenta, teremos orientação para realizar qualquer procedimento, saberemos quais são os primeiros passos legais que devemos dar, encontraremos vários truques para poder planejar com antecedência, etc. Para começar, o único que temos que fazer é inserir o nosso endereço de e-mail no momento em que a teremos em formato PDF na caixa de entrada.

Deixe um comentário