Meio ano de salário do casal destinado a financiar casamento

Portugal continua a ser um país de casamento. Nos primeiros meses do ano passado houve mais de 68 mil “sim, quero” em nosso país, e tudo parece indicar que, durante todo o ano de 2016 se ultrapassarem os 150 mil casamentos, de acordo com os dados dos últimos anos do INE. Casar é um dos principais despesas dos brasileiros, já que, de acordo com O livro essencial das bodas do professor Carles Tordecilla, o custo médio de casar-se em Portugal ronda os 20.000 reais. Tendo em conta que o salário médio em Portugal é de 1.636 reaisbrutos por mês, de acordo com o V Monitor anual Empresa sobre salários de 2017, o financiamento de um casamento seria o equivalente a usar o salário integral de duas pessoas durante 6 meses.
Como financiar os casamentos em Portugal?
Apesar do elevado custo da festa, são poucos os casais que decidem pedir emprestado para financiar o casamento. Os brasileiros preferem pagar à vista. A grande maioria costuma recorrer à poupança e à ajuda de familiares para pagar o festejo, diz Emma Nebot, responsável pelo protocolo do Grupo Da Cartuxa. O estudo de Bodas.net concorda e aponta que “o pagamento é feito com a economia, o dinheiro dos presentes e alguma ajuda dos pais, nessa ordem”.
De todas maneiras, as instituições financeiras, habilitado do elevado orçamento que é preciso para casar-se, oferecem empréstimos pessoais dedicados exclusivamente a este fim, mas também é possível recorrer a empréstimos pessoais sem finalidade com que nós também podemos conseguir boas ofertas. Atualmente, de acordo com os últimos dados publicados pelo Banco de Portugal, o interesse através destes créditos ficou em 7,60 % em abril deste ano.
Misturar as duas alternativas pode ser uma alternativa para aqueles que não querem esperar a economizar o custo total para dar o “sim, quero”. Assim, supondo que temos guardados 10.000 reaispara o casamento e queremos solicitar um crédito de 10.000 reaispara financiar o resto das despesas de celebração com um interesse do 7,60 % em 18 meses (um ano e meio), pagaríamos uma quota de 590 reaispor mês e poderia gerar 600 reaisem juros.
Onde vai o nosso orçamento?
Casar-se em Canárias é mais barato do que no resto da Espanha, com um custo médio de 12.473 reais, enquanto que Castela-La Mancha, o orçamento total ascende aos 32.537 reais. Contrair casamento em Madrid é um pouco mais caro do que a média (22.781 reais) e na Catalunha um pouco mais barato (17.911 reais). De acordo com as estatísticas do Grupo Da Cartuxa, 85% do orçamento destina-se ao banquete, 10 % para as discomóviles e a barra livre e entre 5% e 10 % para outros serviços adicionais.
A quantidade de convidados do casamento é um dos fatores que mais varia o custo. Em Portugal, a média é de 130 pessoas, embora, de acordo com a comunidade autónoma este número varia. Nas Ilhas Baleares, a média é de 88 convidados e em Madri, o número eleva-se até os 183 pessoas. O custo por coberto também varia muito de uma comunidade para outra, em Navarra são gastos 223,5 reaispor pessoa, enquanto que na Andaluzia o preço por convidado é de 105,5 reais.
Outro dos grandes despesas do orçamento é a decoração e a loja de flores, com um custo de entre 100 e 500 reais, maquiagem e cabeleireiro (230 reais) e, como não, o vestido de noiva, cujo custo ascende até os 1.750 reais.
Finalmente, e não menos importante, o ensaio fotográfico e os vídeos também são uma parte do dinheiro destinado ao casamento. Laura López, co-fundadora da produtora Ponto-e-Vírgula Films, conta-nos que “o habitual para ter umas fotos de qualidade ou do autor costuma rondar entre os 1.000 ou 1.500 reais, sem contar com o IVA. Alguns fotógrafos incluem o álbum no preço e uma sessão preboda para conhecer os noivos, mas cada vez são mais os que oferecem o serviço de álbum separadamente”.

Deixe um comentário