Empréstimos P2P que ligam oportunidades econômicas online

Um estudo publicado este ano pela entidade de crowdlending Arboribus, concretizou-se que as empresas que recorrem aos empréstimos P2P para financiar cresceu 160% nos últimos meses e que, além disso, o empréstimo média que solicitam essas empresas aumentou 27% em relação ao ano anterior. São números otimistas em que os empréstimos entre particulares respeita, já que os trabalhadores independentes, por exemplo, são um coletivo que leva anos a lutar para obter financiamento e levar adiante o seu negócio. Se há pouco que te fizeste autônomo e necessita de orientação, o nosso guia gratuito de ‘Financiamento para autônomos’ você poderia interessar:
Quero a guia ‘Financiamento para autônomos’
Aspectos básicos do financiamento através de empréstimos P2P
O crowdlending há relativamente pouco tempo, que foi incorporado ao nosso sistema econômico e é normal que não saibamos do que se trata. Estes créditos são concedidos através de uma plataforma regulamentada por uma entidade P2P que conecta particulares que necessitam de dinheiro com pessoas que, por outro lado, querem obter rentabilidade. Um exemplo de empresa P2P séria Younited Credit, uma entidade que pode nos oferecer de 1.000 até 40.000 reaisa devolver em um mínimo de 24 meses e um máximo de 6 anos. A taxa de juro este crédito pode variar entre o 5,18 % e 7,07 %, já que dependerá da classificação dada pela entidade.
Contratar o Empréstimo P2P Younited Credit

Uma vez que decidimos que a empresa recorrer para obter o empréstimo, o procedimento é simples:
Registro e pedido na plataforma de crowdlending: uma vez, nos registarmos, completaremos um formulário com os nossos dados pessoais, econômicos e trabalhistas, indicando a razão social do empréstimo, o seu montante e o prazo de devolução.
Análise de crédito: a entidade de P2P analisará o nosso perfil para atribuí-los a um nível de risco que acabará determinando o custo dos juros, maior risco, juros mais altos.
Publicação do projeto na Web: uma vez publicado o montante que precisamos, a finalidade do mesmo e os prazos de devolução (em anonimato) os investidores interessados já podem oferecer os empréstimos P2P e receber o dinheiro em nossa conta.
O procedimento, a ser regulado por uma entidade legítima, é totalmente seguro. Mesmo assim, temos que ser conscientes de que se trata de um empréstimo entre particulares e que, como tal, tem de ser devolvido com juros no prazo acordado.
E se queremos investir em crowdlending, como o fazemos?
Como dissemos, podemos adotar duas funções na hora de falar de plataformas de empréstimos P2P, podemos ocupar o lugar do mutuário (que pede dinheiro) ou do credor (quem presta o dinheiro). Neste último caso, o que nos exigem das empresas P2P para investir é o seguinte:
Registrar na plataforma de empréstimos entre particulares: após o nosso registro, deve-se transferir o dinheiro para a conta de usuário da entidade em questão através de cartão de crédito ou através de transferência bancária.
Repartir o investimento: o sistema de este tipo de entidades é um claro ‘dividir e conquistar’. Pois é aí que reside a oportunidade de negócio. O aconselhável é dividir o capital para investir em um total de 50 empresas diferentes, com um máximo de 2 % do capital investido.
Emprestar dinheiro e participar em leilões: o que separa a nossa escolha do projeto e o envio do dinheiro ao mesmo é só um clique. Quanto aos leilões, podemos realizar a licitação manualmente ou usar o robô de investimento de investidores acreditados (apenas estes mesmos podem usá-lo) e, uma vez encerrada a leilão, se aceitam os empréstimos P2P se formalizar o contrato.
Obter rentabilidade: ao cabo de um mês, desde o momento em que damos o dinheiro, receberemos os pagamentos mensais do capital emprestado junto aos juros.
Embora pareça fácil investir com este sistema, deveremos nos informar de todas as limitações vigentes e as leis que nos protegem, para fazer um uso responsável e converter o investimento em uma oportunidade, em vez de uma ameaça.

Deixe um comentário