Economia para mães solteiras

Quando falo de dicas acerca de poupar, podem generalizar-se a qualquer pessoa, mas no caso de mães solteiras, a coisa é ainda mais importante. O Que vou contar a você, que é mãe solteira, o que você tem que correr para conseguir poupar alguma coisa!
O primeiro problema reside no fato de que qualquer mãe solteira, sabe que em Portugal, por norma geral, a igualdade de postos de trabalho, a remuneração dos homens costuma ser mais elevada que a das mulheres. Você, se você é mãe solteira e trabalha no sector privado certeza que você sabe do que eu estou falando.
Partindo desse problema, já tradicional em nosso país, para que um o fato de que, como mãe solteira, terá de ser a única que se coloque a conciliação do trabalho, vou tentar dar-lhe algumas dicas para que você possa canalizar a poupança que você possa ter e que te ajudam no dia-a-dia.
Um bebê é todo despesas
Verificará que, antes de nascer, os custos de embalagem do lar assim como o comprar tudo o que implica de roupas, alimentação, etc. são elevados. Com o que aqui te dou duas dicas:
• Investiga para ver se a sua empresa e/ou na sua comunidade autônoma há ajudas por nascimento de filho. Isso se ele virá muito bem para planejar os primeiros despesas que você tiver, mesmo antes do nascimento do bebê.
• Tenha em conta que o necessário é o necessário. Ou seja, um berço de 300 reaispode lhe dar o mesmo serviço que um berço de 1.000 reais. Se você vai comprar coisas para o bebê, tente olhar tudo com objetividade. Vai economizar muito dinheiro.
“2912”]
Um bebê é para sempre
Ou seja, não pense que a sua economia vai mudar. Mesmo te diria mais, ira, ao pior. À medida que crescem os pequenos, os custos vão a mais. Com o qual tem que se adaptar aos novos tempos, o mais cedo possível. Não pense que são apenas os primeiros meses, não.
As despesas novos estarão sempre lá. Dicas:
• Mude seus hábitos de consumo e adáptalos os membros da família que sereis a partir de agora. Antes de tudo a economia era um, agora será para dois.
• Volto ao coisa de antes: se objetiva, evita as compras compulsivas, pensa com a cabeça e não com o coração.
• Procure produtos de poupança a médio prazo, mas que permitem a liquidez se você precisa de dinheiro, por qualquer motivo.
• Mas mesmo procurando por liquidez, pensa também que para um horizonte de futuro amplo, precisa de dinheiro, com o qual, se ele vier ao ponto anterior: diversifica ao máximo seus produtos de poupança.
Investir o necessário
Quando chega um bebê em casa e você é mãe solteira, o necessário para viver é a habitação e pouco mais. Diversifica os produtos de poupança que você tem e não te ocorra pensar em planos de pensões ou coisas para prazos semelhantes. Dicas:
• O melhor que você pode fazer é reduzir ao máximo as dívidas. É claro que a hipoteca é complicado, mas evite usar produtos que importem em aumentar as suas dívidas e os pagamentos mensais, já que um bebê em casa, nunca se sabe quando chegarão os gastos extras.
• Se não te resta mais remédio que endeudarte, que seja para adquirir as coisas de valor que tenha sempre a possibilidade de vendê-las. Endeudarte para pagar umas férias são coisas para a história.
Você pode verificar perfeitamente que o fato de que chegue um filho e ser mãe solteira complica mais as coisas que se há um casal, já que tudo será sobre seus ombros, com o qual, em muitas ocasiões, as horas do dia não vai chegar a muito.
Nesse sentido, canaliza suas economias para produtos financeiros que já conheça e não andes experimentando em ‘coisas estranhas’, já que, com muita probabilidade, o único que fazem é te dar dor de cabeça no futuro e você não vai ter tempo para atendê-los.
Delegar em pessoas de confiança dos temas financeiros, ou seja, pessoas que se tenham demonstrado anteriormente a sua confiança e que você pode confiar, evitando ir a novos produtos, pois oferecem rentabilidades desorbitadas.
Lembre-se que seu modo de vida e despesa mudou para sempre, com o qual recomendamos que fuja dos produtos com muito risco.
Vê-se claramente que os conselhos que te dou são de senso comum, não são nada que não se possa ter imaginado tu já, mas é bom que você lembre-se e tenha sempre presente, já que, a partir de agora, são as diretrizes que conduzem a sua economia.
Antes os rendimentos mensais e a economia era para uma única pessoa, a sua mesma.
Agora não, são para duas pessoas e, além disso, a maior parte para a outra pessoa, o bebê, com o que acha que você passa a ser secundária (por isso, por exemplo, esqueça o que te mencionamos antes de planos de pensões, para isso, já haverá um tempo no futuro).
O que sem dúvida deve ter claro são dois pontos que resumem tudo o que foi dito até agora e que deve ter sempre presentes:
• Concienciarte em que você deve mudar seus hábitos de consumo e priorizar a cabeça sobre o coração quanto ao tema de evitar as compras impulsivas, gastos desnecessários ou comprar coisas mais caras quando pode ser que tenha mais baratas e lhe dão perfeitamente para o mesmo uso ou utilidade.
• Concienciarte de que a poupança é fundamental já que ter um bebê sendo mãe solteira se deve deixar muito pouca margem de manobra para as surpresas financeiras que te possam surgir em qualquer momento.
Gastar menos e de forma mais racional e reduzir dívidas ou pedir emprestado, nos antojan as melhorias coisas que você pode se propor a fazer a partir do nascimento do seu bebê.
Qualquer dúvida ou sugestão sobre o artigo, aí você tem os comentários ??

Deixe um comentário