Diferenças entre investir e poupar

Provavelmente, a primeira resposta que nos acontece a todos, é a mais simples, sabemos que estamos investindo bem quando nossos investimentos produzem bons resultados. No entanto, aqui estamos defendendo ter obtido um resultado, já não há mais tempo para as lamentações, se é bem bom, se é mau…
Com o anterior, o que queremos ressaltar, é que o momento de determinar o máximo possível se estamos fazendo de forma correta nossos investimentos é logicamente anterior ao momento do resultado, se a nossa forma de entender o investimento é uma aposta sem mais lógica do sentido, estaremos investindo como quem participa de um jogo de azar, desde então, esta não é a melhor das maneiras para obter benefícios.
Poupança ou investir
Pode parecer o mesmo, mas realmente não é o mesmo. Em primeiro lugar, devemos determinar o que é o que queremos e o que não queremos.
Um erro muito comum é deixar-nos levar pelos cantos de sereia em um ou outro sentido, isto é, deixar-nos atrair por produtos que se baseiam a segurança e a garantia de recuperação do capital, ou, pelo contrário sucumbir aos cantos de sereia de produtos que prometem alta rentabilidade.
Ambas as opções podem resultar bem, porém, que é verdadeiramente fundamental, é que nós sejamos capazes de definirnos, ou seja, que sejamos capazes de determinar nosso perfil de risco, se temos uma vocação mais conservadora com o nosso dinheiro ou apostar mais o risco, procurando a rentabilidade, etc.
Portanto, a primeira decisão é básica.
Poupar vai assumir, acima de tudo preservar o capital, buscaremos produtos que nos garantam o capital em troca de uma rentabilidade determinada, que sempre será mais baixa do que as opções de risco, aqui entra em jogo, produtos como os depósitos ou as contas remuneradas, se desejamos mais ou menos liquidez para o nosso dinheiro.
Investir vai assumir que somos capazes de assumir diferentes níveis de risco para o dinheiro que colocamos nas indagações, buscaremos, neste caso, produtos que se adaptam a nível ao que estamos assumindo de risco e que nos oferecem as máximas payoffs de forma proporcional, neste caso, e para além da actividade directa nos mercados, através da compra de ativos, podemos acessar perfeitamente aos fundos de investimento.
“11020”]
O Que fazer para investir bem
No caso da poupança, certamente, a situação é menos complexa, escolhemos um produto, valorizamos a rentabilidade e o prazo e a liquidez, os possíveis custos e já estamos em condições de contratar.
No caso de investimento a coisa não é tão simples. Devemos determinar vários fatores de forma prévia à pesquisa do mesmo modelo de investimento, uma vez escolhido este voltaremos a ter a obrigação de aprimorar os produtos (ou ativos) eleitos.
Existem quatro dicas básicas, para que, então, obviamente adicionar questões mais complexas:
Identifica o seu nível de risco: antes de começar a investir é muito importante que defender tu nível de risco. Dito de maneira mais simples, que mais do que porcentagem você está disposto a perder o dinheiro que você vai dar no investimento. Isso parece um pouco louco, já que o lógico seria falar sobre o que se pode ganhar, sem um controle de risco que estabeleça os limites de cada pessoa, não só podemos acabar escolhendo produtos ou ativos que não nos convêm, mas também a perder muito ou todo o nosso dinheiro.
Escolha o investimento que lhe seja mais simples: nós temos a tendência a procurar os produtos que nos parecem mais espetaculares ou de maior desempenho, porém, não necessariamente estes produtos são os melhores para nós. Se já determinado o nível de risco que vamos assumir a segunda tarefa é escolher o tipo de investimento, aqui, sobre tudo para o investidor iniciante, recomenda-se a simplicidade acima de tudo, isto é, se torna mais compreensível trabalhar com fundos de investimento, em primeira instância, não há que duvidar nem por um momento e ir para os fundos, já temos tempo de apostar de forma direta pelos mercados através da compra e venda de ativos.
Diversifica-se: outro dos fatores mais importantes para garantir um bom investimento, sobretudo em investidores, meios ou novato, é a diversificação, não importa a quantidade que colocamos nossa investimento, diversificar é sempre uma boa ideia, já que nos vai permitir equilibrar os golpes das perdas com os ganhos. A vantagem dos fundos de investimento neste sentido é que pode facilitar a criação de carteiras amplos em que a diversificação refere-se, sem grandes esforços.
Saiba mais: contratar um investimento e com vontade de dormir, esperando a evolução não é uma grande ideia. De facto é muito mais interessante acompanhar a evolução de nossos investimentos, pergunte para nossos consultores e informar-nos constantemente os progressos ou retrocessos das mesmas, isso sim, sem ficar obcecado, o fazemos do ponto de vista de adquirir experiência e maiores níveis de formação face ao futuro. Uma das piores situações para um investidor iniciante é a de um excesso de informação que o leve a entrar em pânico, por isso, sobretudo nos primeiros passos de investimentos é importante a figura de um consultor.
Esperamos que com estas dicas você possa investir melhor no futuro ou conservar da melhor forma possível. Se você tiver qualquer dúvida, faça-nos saber nos comentários, responderemos de imediato.

Deixe um comentário