Desastres Financeiros: O divórcio

Pela autora convidada, Sonia Sanches (So) do Blog e Lã Artigo previamente publicado no Blog e Lã
Poucas coisas são tão difíceis como viver um divórcio. Nunca experimentei, mas se quebrar uma relação de namoro é duro, eu só posso imaginar o que deve ser dissolver uma relação de vida.
O objetivo deste post é dar uma modesta guia para que, pelo menos, a parte financeira não doa tanto.
Prevenção
Ninguém se casa pensando que algum dia vai acabar a relação, e é por isso que poucos prevêem perante esta horrível, mas muito real possibilidade. A prevenção não é um mau presságio e muito menos falta de confiança com o ser amado. É, simplesmente, o sentido comum.
1. O ideal é que, embora compartilhem todo, com suas próprias coisas separadamente. Compartilhar não necessariamente significa “unir”. Cada membro do casal deve ter a sua conta de banco, suas economias, o seu fundo de emergência e de seu fundo para a aposentadoria.
2. Os gastos grandes, devem ser discutidas antes de ser adquirido e determinar em nome de quem estão. Isto
poupar problemas diante de uma separac
íon. A casa dos dois, o carro é teu, a minha caminhonete.
3. MULHERES: não importa que não tenham um trabalho remunerado por estar em casa com as crianças, devem ter a sua própria conta de banco, e obter uma poupança PESSOAL. As mulheres costumam ser mais em desvantagem financeira quando deixamos a vida profissional para cuidar dos filhos, e isso é quando mais precisamos evitar. Minha sugestão pessoal é nunca deixar de trabalhar de forma definitiva. Se bem que um ou dois anos de intensa vida materna são bem-vindos e necessários, para ninguém é um segredo que ser mãe em tempo integral não são nem férias nem descanso, assim, procurar alguma atividade remunerada tem um duplo propósito.
4. HOMENS: eu soube de muitos cavaleiros que, ao se divorciar, deixam tudo para a mulher e filhos. Pode ser um grande gesto de amor para com a descendência, mas cuidado para não exagerar. Por isso é muito útil definir quem ficará com o que, desde que se adquirem os objetos.
5. De vez em quando, pensem no pior dos casos. Parece fatalista, mas, às vezes, é conveniente fazer o exercício mental: Bem, o que aconteceria se, neste momento, o meu parceiro me pede o divórcio? as conclusões podem ser de muita ajuda para ajustar o que for necessário ajustar. Mais vale prevenir.

No Meio do Divórcio
1. O primeiro sempre é pedir ajuda a alguém de confiança que de prespetiva do assunto. Um encontra-se tão imerso na parte emocional que pode cometer erros garrafales no meio do sofrimento e da confusão. Primeiro a alguém próximo e depois alguém profissional (pode ser o seu agente de seguros, o seu consultor financeiro ou ao seu advogado e se você pode obter a opinião dos três, melhor).
2. Pensa nos filhos. A melhor maneira de ser objetivo em relação ao dinheiro e aos bens materiais quando se trava uma batalha de divórcio é se concentrar no que mais se quer, e a quem não queremos prejudicar. Fazer um compromisso, deixar a casa para o seu nome, definir a pensão alimentícia e até mudar o testamento são ações práticas que protegem o aluguel e poupam um pouco de confusão. Não é nem para ti, nem para mim, é para as crianças.
3. Recebe todos os documentos de propriedade e checa que está em nome de quem, etc., para começar a decidir a partilha. Aqui uma lista de cortesia Finanzaspárcticas.com:
Declaração de imposto de renda dos últimos 5 anos
Registros de contas de remoção de ambos cónyugues
Comprovantes d epagos de folha de pagamento de ambos, que apresentem rendimentos e deduções
Documentos relacionados com os benefícios que ambos os cônjuges recebem se têm um empregador
Cópia de todas as apólices de seguro, incluindo a de vida
Extratos de contas bancárias
Estados de conta dos fundos de investimento
Cópia das escrituras da casa (mesmo que seja em um pagamento de hipoteca) ou contrato de locação da casa
Estados de todos os empréstimos pendentes (incluindo a hipoteca, claro)
Cópias de testamentos e confia
cópias de poderes
Recibos/facturas de compras
Cópias dos certificados de matriomonio e nascimento
4. Não temas, fazer uso de seu guardadito ou o seu fundo de emergência. Isto É uma emergência.
5. Por nenhum motivo financies nada com os cartões de crédito. é mais, é não comprar nada no que passa a tempestade. Se você pode mudar com um amigo ou familiar em que se acalmam as coisas, melhor.
6. Fala com seus credores. Banco, familiares, empregador. Com qualquer um com quem você tenha uma dívida e avísa que a situação que você está vivendo é possível que você não possa cumprir com seus compromissos.
6. É época de “salvar”, isto é, de não tomar decisões em relação a compras, mudança de emprego, movimentos. Refexiona e lembre-se de que as suas emoções podem ser mal conselheiras nestes momentos.
7. Restaura a tua vida financeira, uma vez que passou a tempestade. Terá que fazer um novo orçamento, estabelecer novas metas e talvez até mudar o rumo profissional.
O divórcio é muito difícil, mas sempre sai na frente. Humor.
Fonte Original:

Desastres Financieros: El divorcio


Sobre Blog e Lã:
Criado por Sonia Sanches. Blog e Lã é um site que fala de finanças pessoais de forma simples e clara. Usando pouca (ou quase nada) de terminologia financeira avançada, a leitura e compreensão dos diferentes temas que trata, em seu site se torna fácil e agradável. So (como é conhecido melhor) sabe perfeitamente que as dívidas e a falta de dinheiro NÃO trazem a felicidade.
Para So (e seu cordeirinho morbidly obesos de tanta lã “Morbi”), a riqueza não está na quantidade de dinheiro que ganhamos. Está mais na nossa cabeça, na nossa relação com o dinheiro. A ideia é explorar a relação com o dinheiro em seu blog e você vai adorar compartilhar a viagem com todos vocês.

Receba os Nossos artigos em sua caixa de correio electrónico. Junte-se a nossa comunidade, é grátis.

Nome

Endereço de email: