Como você Afeta a Inflaccion (CONDUSEF)

Publicado Mirercoles 30 de Janeiro De 2013, Revista Protega o seu Dinheiro, CONDUSEF.
Talvez você já se perguntou por que o preço que tinha um litro de leite, há três anos não é o mesmo que hoje tem. A resposta: é porque a inflação. A inflação é o aumento generalizado e contínuo dos preços de bens e serviços.
Para manter um sólido equilíbrio na gestão de suas finanças ao longo do tempo (principalmente a prazos superiores a um ano), não só é necessário ter iniciativa e adotar o hábito de fazer um orçamento mensal, você tem que dar um passo a frente, se considerar o efeito que a inflação tem em suas despesas, mas também em suas receitas.
A inflação e os gastos
O que gastaste em 2012 é uma boa referência para fazer seu orçamento deste ano, mas sendo realista, é difícil que volte a pagar a mesma quantidade em cada categoria de despesa: alimentação, transporte, serviços, renda, propinas, lazer… e não porque vai consumir mais, mas porque, como já dissemos, os preços dos bens e serviços que adquirimos diariamente tendem a subir com o tempo.
E vá que é assim, há algumas semanas, o Governo Federal anunciou que o primeiro aumento do ano na gasolina, situação que se tem repetido ao longo dos últimos anos, com o objectivo de reduzir o gasto público destinado ao subsídio do combustível. Por sua parte, o Governo do Distrito Federal anunciou a atualização das tarifas cobradas em diversos procedimentos e serviços em 4.1%, para compensar o efeito da inflação registrada em 2012. Com toda a segurança, esses ajustes, acréscimos e atualizações sobre o preço dos bens e serviços, que quase sempre se realizam ao iniciar um novo ano no calendário, também foi observada em todos os estados do país. Seu objetivo é equilibrar seus orçamentos.
A ti te toca equilibrar seu orçamento. Há preços que sobem continuamente, de forma quase imperceptível, e só se percebe quando a cesta de produtos que compras diariamente com $1,000 agora você pode comprar com us $1,300, por citar um exemplo. Outros preços sobem anualmente como as propinas, o imposto predial, transporte, entre outros.
É, pois, necessário considerar o efeito da inflação no seu planejamento financeiro. De outra forma você corre o risco de ficar “curto”. Por exemplo, se o ano passado, a mensalidade de seu filho subiu de us $2,300 a us $2.500 –o que equivale a um aumento de 8,7%–, é necessário que presupuestes um aumento semelhante para este 2013. E assim, você pode fazê-lo, sucessivamente, em cada segmento.
Quando você planeja, a longo prazo, a inflação ganha ainda mais relevância. Por exemplo, se você está planejando comprar uma casa em um prazo de cinco anos, considera que o preço que hoje não será o mesmo amanhã. Os preços de há cinco anos, eram 24%1 mais baixos do que na atualidade.

Analisa o efeito da inflação no preço de bens e serviços que consome ao longo do tempo, mas também no planejamento de suas metas financeiras e patrimoniais de médio e longo prazo.

A inflação e seus rendimentos
A inflação encarece o custo dos bens e serviços ao deteriorar o poder de compra do dinheiro. E, tal como no caso dos gastos também seria saudável considerar um aumento similar à da inflação em nossos rendimentos (salários e vencimentos).
No entanto, é uma realidade que os rendimentos não sempre sobem na mesma proporção que a inflação (às vezes sobem mais, mas, outras vezes, fazem-no em menor medida).
Você tem três opções para manter o equilíbrio das receitas em relação às despesas: 1) reduzir custos, eliminando ou diminuindo itens de consumo, 2) procurar outras fontes de renda complementares ou alternativas a sua principal fonte de renda, 3) investir as suas poupanças em instrumentos financeiros cujo desempenho seja, ao menos, igual à inflação, mas sempre procurar aqueles que te paguem uma taxa ainda mais alta. Não é difícil encontrar opções ao alcance de praticamente todos os mexicanos (mesmo para economias tão baixos quanto r $100) que estejam em conformidade com estas características: as contas de poupança voluntário das Afores, o programa de economia Cetesdirecto, notas bancárias em Udis, sociedades de investimento e ao investimento em Bolsa de Valores por meio de corretoras on-line. Considera-se que fazer uso dessas últimas opções financeiras, se exige ampliar a sua educação financeira, saber como funcionam esses instrumentos e a partir de que quantidade você pode começar a gerar patrimônio com as suas poupanças.
Estas alternativas ajudam não só a manter o equilíbrio do seu orçamento, mas também para acrescentar valor ou riqueza a sua situação patrimonial.
Calcula a sua inflação pessoal
No México, o Instituto Nacional de Estatística e Geografia (INEGI) é o encarregado de calcular a taxa de inflação média anual dos mexicanos através de uma cesta de bens e serviços (de 83,500 produtos diferentes) que reflete os hábitos de consumo das famílias, considerando a porcentagem da renda que passam em cada segmento.
E é que não tem o mesmo efeito sobre a inflação subir em 10% o preço das pastilhas elásticas, cujo produto representa apenas o 0.0001% do gasto de uma pessoa, que o aumento de 3% no preço da carne de frango, que tem 5% de seu orçamento. Assim é como o INEGI obtém o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), com periodicidade quinzenal e mensal. A sua variação, em termos percentuais, é precisamente o que conhecemos como a taxa de inflação e que a cada 15 dias dá para conhecer o MÉXICO.
Mas, não todas as pessoas consomem os mesmos produtos. Os produtos que considera o INEGI, provavelmente seu consume a metade e pode até ser que deve tornar um hábito para comprar outros que não estão incluídos no INPC. Este último, é um bom princípio para dar uma idéia de quanto sobem os preços, mas o mais conveniente é o de calcular a sua própria taxa de inflação, partindo da premissa de que a sua não é a mesma que a minha.
No site do Museu Interativo de Economia (MEDE): www.mide.org.mx mais, existe uma seção em que você pode calcular o seu inflação individual. Na página seguinte, apresentamos um exemplo de como calcular a sua.

Faça o download do pdf deste artigo, clique aqui
Link:
http://www.condusef.gob.mx/Revista/index.php/presupuesto-familiar/gastos/760-como-te-afecta-la-inflacion

Receba os Nossos artigos em sua caixa de correio electrónico. Junte-se a nossa comunidade, é grátis.

Nome

Endereço de email: