Como preparar-se antes de uma demissão

O que é que devemos questionar quando suspeitamos que vamos ser despedidos? Ninguém gosta de estar nesta situação, mas pior é fechar os olhos e não fazer preparativos para que o despedimento não se torne uma desgraça financeira.
Se… é possível que esse despedimento nunca ocorra. É mesmo possível que tente com todas as suas forças ignorar os sinais, mas se a sua empresa está demitindo pessoas ou está em processo de falência, ou se vê que as coisas não vão bem… o melhor é preparse.
Mas, como podemos nos preparar? Primeiro, devemos ver que devemos fazer antes e depois:
O que fazer antes de que a demissão ocorra.
O que fazer uma vez que já se tenham demitido.
A primeira postura é a mais importante, já que ela tem que tomar as decisões que têm de guiar-nos na segunda.
O que fazer antes da demissão?
Prévio ao despedimento deve trabalhar sobre os dois aspectos básicos de suas finanças:
Receitas
Despesas
a) Sobre os rendimentos
Se você reclamar, vai ficar sem a sua fonte de rendimentos mensais e em troca, receberá o finiquito que lhe corresponde por sua antiguidade na empresa e a forma de demissão que lhe foi tocado.
Por isso, a primeira coisa que você deve fazer antes de uma demissão que se aproxima é saber de que tipo é este (proveniente, sem justa causa, ERE, etc.) e, portanto, determinar qual seria a sua indemnização.
Saber que quantidade de dinheiro vão dar-lhe antes que se passa é fundamental para 2 coisas:
Saber se a sua empresa lhe deu a quantidade correta de finiquito (algo muito comum, infelizmente)
E para programar o que se deve fazer com esse dinheiro, uma vez eu pago para enfrentar seus pagamentos mensais.
b) Sobre os gastos
Sua atitude diante de um hipotético, mas possível despedimento deve ser muito clara: rimero, evita planejar novos gastos futuros. E segundo, você deve reduzir as suas despesas mensais para que o golpe seja mais leve.
Quais são os tipos de necessidades são mais fáceis de reduzir? Normalmente, estes costumam ser os gastos relativos a lazer e diversão. Sim, é duro. Mas é o mais fácil e simples. Reduzir os gastos em sair para comer em restaurantes, para comprar o último gadget tecnológico, ir menos ao cinema, viajar menos ou para locais mais próximos e mais baratos, etc.
Na hora de fazer a compra podemos também fazer uma poupança significativa. Tentar mudar todos os produtos da marca que obtiver, por produtos de marca branca. Além da economia, em muitos casos, não há perda de qualidade.
Outro tipo de despesa que não custa muito a reduzir, costumam ser os gastos em móvel. Chamar menos e, sobretudo, encontrar uma tarifa mais barata.
O que fazer após a demissão?
Passamos à segunda parte, que é a de o que fazer uma vez demitido. Esta parte depende muito do que você tenha decidido na etapa anterior, tanto em matéria de receitas como em matéria de despesas.
a) Buscar um novo emprego
Esta claro que o principal é começar a procurar trabalho para voltar a ter renda. Borja Prieto, do blog Gerado, traz uma série de 15 passos simples e acima de tudo muito práticos para encontrar trabalho. Você pode ler o artigo completo aqui, apesar de boa, a meu parecer, os mais importantes:
Não vê tv: Basicamente, aproveite o tempo. Entrar para ver a tv é um perigo. Você vai ver como pensava sentar-se vê-la 15 minutos e já se passaram duas horas. Borja recomenda não estiver em funcionamento pelo menos até as 6 da tarde, eu sou ainda mais radical, antes das 9 da noite você não deve nem chegar perto.
Complemente a sua formação: Aproveite o tempo que você tem agora para reforçar seus conhecimentos e/ou aprender outros novos que possam ajudar você a encontrar trabalho. O que não lhe acontece nada? Inglês. E se você já sabe, outra língua, nunca sobra.
Comece a procurar trabalho desde o primeiro dia: Não deixe passar um dia sem procurar trabalho. Apesar de inicialmente ter o dinheiro do finiquito e o “paro” o tempo passa muito rápido. Lembre-se que procurar emprego é um trabalho em si mesmo. Assim, dedique um tempo não inferior a 6 a 8 horas diárias.
Pensa em ter o próprio negócio: A melhor maneira de não ficar no desemprego e criar o seu próprio emprego. Pode ser um bom momento para estudar a possibilidade de criar a sua própria empresa ou iniciar um negócio por sua conta.
Escrever um blog: Agora que você tem tempo de escrever um blog é uma grande ideia. Um blog relacionado com a atividade laboral em que pretende encontrar trabalho. Com um blog você mostrar o que sabe e ganha muita visibilidade na internet. Melhore a sua marca pessoal e os outros começarão a ver como um especialista.
Voltando para a parte financeira, tenha claro que o principal é reduzir ao máximo as despesas segundo a tenhamos planejado na etapa anterior.
b) Sobre os rendimentos
Muito bem, você já está sem trabalho e com o dinheiro do finiquito na conta… E agora o Que fazer com este dinheiro?
Como reduzir a dívida que você tem, por exemplo, a hipoteca? Como conservá-lo em produtos a médio e longo prazo que promovam elevada rentabilidade financeira e fiscal? Como deixá-lo em produtos de poupança de curto prazo e de elevada liquidez para poder dispor dele, caso seja necessário?
Isso já depende de dois fatores:
O valor do finiquito
As perspectivas de encontrar trabalho a curto prazo
Se estas últimas são elevadas, o que se pode fazer com o valor do finiquito poderia ser:
A opção de cancelar parte da dívida é interessante, isso sim, sem ter que passar apuros no final do mês.
Outra percentagem se pode dedicar a produtos de poupança com elevada rentabilidade, sem risco, embora se deva investir o dinheiro a médio e longo prazo. Pode ser um bom momento para começar a investir na bolsa a longo prazo, seja através de empresas grandes com pouca dívida e dividendos estáveis, para obter uma renda ou através de fundos indexados.
Agora, se as perspectivas de conseguir um emprego são negativas, que provavelmente são assim, infelizmente, a forma de investir o finiquito varia substancialmente:
É preferível dedicar grande parte do finiquito a produtos financeiros que permitam dispor dele de forma imediata em caso de possíveis imprevistos. Por exemplo, contas de poupança ou depósitos a prazo fixo.
Pode ser vista a realizar uma pequena cancelamento da dívida que se possua, assim você conseguirá reduzir seus pagamentos mensais.
Mas cuidado, neste último caso, é do dinheiro que resta do finiquito do que você deve ir enfrentando estes, com o que não é conveniente estrangular suas economias com a obsessão de dever a menos.
c) Sobre os gastos
Nunca se sabe quando voltará a trabalhar, com o qual é necessário planejar suas receitas a médio e longo prazo e cuadrarlos com seus gastos.
O que está claro que há que fazer diante de uma demissão é mudar seus hábitos de consumo e seus padrões de gastos, ajustando estes a poupança que você tem, tentando de forma objetiva, sem o desnecessário e dedicar seus esforços para satisfazer suas necessidades básicas e fundamentais.
Conclusão
Além disso, o que também é lógico, é que perante um despedimento, a primeira coisa que você deve fazer é começar a procurar um trabalho que supra a renda mensal que você tinha, até à data, o que já dará mais opções para saber o que você deve fazer com suas economias e o finiquito que você tenha recebido.
A demissão é uma mudança e isso não tem por que ser ruim se o que temos planejado de forma adequada.

Deixe um comentário