Como preencher o modelo S-1 e por que

Como você está se propondo guardar dinheiro em casa? Você acha levar dinheiro ao exterior por o que pode acontecer? Existe livre circulação de capitais na Europa?

Você pode não saber, mas por muito teu, seja o dinheiro que você tem no banco, não pode ir para a rua com ele assim. Você pode ganhar uma grande desgosto se vai para a polícia. E são coisas que passam pouco, mas garanto-vos que passam.

Agora que não pagam nada e os bancos pela redução ou que até pode ser que cheguemos a juros zero ou negativos, há muita gente que se coloca levar o dinheiro para casa. Como uma forma de protesto por o pouco que se paga agora o dinheiro, por medo do que possa acontecer ou por acreditar, erroneamente, que possa estar mais seguro se, por exemplo, Podemos ganhar as Eleições.

São coisas que acontecem em pessoas mais velhas, sobretudo, e às vezes não tão maior. E voltamos para o de sempre, a falta de cultura financeira que existe neste país. Mas infelizmente, como diz o código civil, o desconhecimento das leis para não dispensa de seu cumprimento. E aqui vai uma mensagem, você não pode ir com 100.000€ ou mais, em dinheiro, em território nacional. Você precisa trazer o modelo S1 preenchido. Conto-Te como preenchê-lo, o que acontece se não o preenche e por que é necessário.

Você pode confiscar o dinheiro do que seja portador de um controlo de rotina se você não tem o modelo S-1, para quantidades superiores a 100.000€ em Portugal e 10.000€ em qualquer controle e especialmente em controles aduaneiros.

Não custa nada levar a cartilha do banco ou os movimentos para provar que o dinheiro é seu e a origem lícita. Sem o documento, você tem que remover o dinheiro, na base da prevenção de branqueamento de capitais.

Quando retirar uma quantidade superior a 100.000€ de uma instituição financeira em Portugal em moedas, notas ou cheques ao portador, você tem que oferecer para fazer a declaração do movimento de numerário. E se se recusar, sob sua conta e risco.

Esta regra não se aplica quando se trata de cheques nominativos. Mas se não se quiser expor isso, basta dividir os montantes ou fazer o movimento de dinheiro através de outros meios de pagamento como transferência, OMF ou ordem de débito, se o destino for uma conta de sua titularidade.

Eu não sei muito bem por que, mas a maioria das pessoas costuma recusar a preencher o modelo S1. Acho que será por ignorância, desconfiança ou uma mistura de ambas. E, logicamente, porque não são conhecidos muitos casos de intervenção de quantidades de dinheiro importantes na via pública. E a gente simplesmente se arrisca porque são dois passos daqui para lá, para levá-la para casa ou de um banco para outro. Mas às vezes acontece.

Menos aleatório e mais delicado é atravessar qualquer controle aduaneiro, com mais de 10.000€ em moeda, notas ou cheques ao portador sem ter a declaração de meios de pagamento S-1 acima. Se quando você faz a rotineira pergunta você tem algo a declarar? Você diz que não e, em seguida, em um caching, pelo scanner ou uma inspecção do veículo, bagagem ou a roupa, você já pode se preparar.

Se omites declarar ou está mentindo e você for pego diga adeus aos dinheiro, porque te participam. E, além disso, se abrir um processo de sanções com uma multa que vai desde 600€ até a totalidade do dinheiro envolvida. Como a Lei diz que tem que deixar 1.000€ conceito de sobrevivência, para que você possa continuar a sua viagem.

Esta declaração é obrigatória para qualquer pessoa, seja portuguesa ou estrangeira. E faz referência aos 10.000€ ou o seu contravalor em moeda estrangeira.

Muito cuidado com essas viagens para a Suíça, Andorra, etc. para abrir uma conta no exterior. Não tente burlar o controle aduaneiro levando 9.999€ de cada vez que cruza a fronteira. Assim, a única coisa que conseguirá é chamar a atenção. E, se detectam que faz várias viagens com a quantidade ao limite e sem portar o modelo S-1 contigo, podem abrir-se igualmente registro de sanções se há suspeitas de tráfico de dinheiro de procedência desconhecida.

Vejamos como é executada, o modelo S1, instruções a seguir e formas de apresentação.

A declaração do movimento de dinheiro para o seu controle, deve ser prévio e específico para cada movimento de dinheiro. Como te disse obriga pessoas físicas espanholas e estrangeiras, agindo por conta própria ou de um terceiro.

É exigido o seu cumprimento para entradas ou saídas trasfronterizas de mais de 10.000€ ou de 100 000€ ou mais dentro do país.

A declaração é informativa e não tem nenhum custo. O impresso do modelo S1 tem que informar dados do proprietário do dinheiro, do portador, de onde vem o dinheiro e para onde vai. E aqui há uma coisa que não costuma gostar muito com a gente é que tem que declarar a finalidade do movimento. Se é para fazer um investimento, comprar uma casa ou para ir all-in no casino de monte carlo. O que quer que seja.

Também há que informar como se transporta e o percurso que se vai seguir.

Se é o banco que tem a iniciativa de preencher a declaração do movimento, você pode fornecer três cópias que você deve assinar. Uma para apresentar ao Banco de Portugal, outro para ti e uma terceira para comprovar a origem lícita no destino. Também se pode apresentar previamentvía telemática.

Se você ainda não dás crédito ao que você está lendo, você pode encontrar mais informações na Agência Tributária ou no Serviço de Prevenção de Branqueamento de capitais.

Você pode tomártelo a chufla ou como quiser. Há muita gente que agora que não se podem fazer ordens de transferência de dinheiro e que eles cobram por fazer uma transferência, corre o risco de pedir um furgão de dinheiro para levar o dinheiro de um banco para outro. Mas se, em uma dessas levar mais de 100.000€ e te param sem a declaração de movimento de numerário, além de sanção se podem intervir todo o dinheiro.

Deixe um comentário