Como negociar um aumento de salário

As negociações pessoais para buscar aumentos de salário não são exatamente uma especialidade dos brasileiros. Estamos mais habituados, em todo o caso as negociações coletivas e, no entanto, esses aumentos não são apenas possíveis, em muitos casos, são saudáveis, mas como acertar no momento, o conteúdo e as formas dessa negociação?
Em primeiro lugar, devemos levar em conta que uma negociação destas características se sustenta em argumentos positivos para as duas partes envolvidas:
O trabalhador porque melhorar sua posição econômica e se sentir mais valorizada no ambiente da empresa.
O empresário porque a melhoria da motivação do trabalhador reverterá em melhor produtividade.
Aí temos a primeira chave do sucesso em uma negociação para um aumento de salário, que realmente seja benéfica para as duas partes, isto é, às vezes nos esquece, mas é uma peça fundamental para levar a bom termo nossos objetivos de aumento de salário.
O momento da negociação
Ser capaz de analisar a saúde da empresa é fundamental antes de questionar a ir à direção com um pedido de aumento de salário.
Obviamente, uma situação económica positiva e de crescimento da empresa, está indo para obter uma maior receptividade por parte de nossos parceiros para estas demandas, no entanto, uma situação negativa ou de estagnação, pode ter o efeito inverso, e até mesmo, pode dar uma imagem distorcida de nossas pretensões.
O anterior não significa, necessariamente, que os pedidos de aumento de salário é sempre têm que dar em momentos boyantes das empresas. Aqui entram em jogo outras questões, como os salários médios da concorrência, a relação entre produtividade e salário… no entanto, desde então, sempre será melhor negociar a partir de uma posição em que podemos defender que parte dos sucessos da empresa eles nos podem ser conferidos, de forma reconhecível, por exemplo, em um progresso evidente em nossa seção competências.
“9429”]
Como negociar seu aumento
O processo de negociação não é realmente assim tão simples. Como dizíamos, depende do momento da empresa, de nossa posição dentro dela, até mesmo de questões como a nossa relação pessoal com os parceiros nesta negociação.
Portanto, uma vez definido o momento exato, o que nós consideramos momento exato, devemos determinar qual é o melhor modelo de negociação para os nossos interesses. E, aqui, devemos saber que não existe uma receita real que possa atender a todos os perfis, ao contrário, entra em jogo a percepção de cada um perante o funcionamento interno de sua empresa.
O que existe é uma série de maus hábitos neste tipo de negociações que devemos evitar. Os principais entre estes maus hábitos seriam os seguintes:
Recorrer a uma negociação pedindo um aumento de salário não quantificada, é um erro não solicitar uma quantidade concreta que, além disso, deve ser ajustada à realidade. Caso contrário, pode tornar-se um aumento mínimo satisfatória, além de uma sensação de improvisação na demanda nada positiva.
Não ter argumentos sólidos para a solicitação de aumento, um aumento de salário não deve ser aplicado sem argumentos ou com o argumento de por que eu mereço isso ou porque eu valho a pena, devemos fundamentar nossa pedido em coisas reais e comparáveis, que realmente o nosso salário não é proporcional ao que deveria ser, que o nosso desempenho no trabalho está produzindo benefícios palpáveis para a empresa…
Fazer uma negociação sem ter claros todos os termos, isto pode parecer de gaveta, ou seja, podemos pensar que ninguém vai a uma reunião sem todos os termos claros, mas, no entanto, não é bem assim. Devemos pensar em todas e cada uma das possíveis respostas e cenários, talvez nos proponham mais dias livres em compensação a aumentar menos do que esperávamos, talvez nos façam uma contraproposta, tudo isso deve estar previsto na medida do possível.
Tomar uma postura agressiva na negociação, quando tomamos uma postura agressiva, que pode ir desde um ultimato sobre aumento de salário ou a nossa marcha, ou, de forma menos explícita falar de ofertas de empresas, estamos colocando à procura de solução sobre a mesa que talvez não ganharmos. É uma opção muito arriscada e que, mesmo em caso de ser resolvidos de forma satisfatória neste momento, pode ter consequências no futuro a nossa relação com a empresa.
Em resumo…
Em geral, concluindo, poderíamos dizer que a negociação sobre os aumentos de salário, quando são merecidos desnecessários, é uma atividade muito saudável na vida interna das empresas, que não devemos desistir em nenhum dos casos, mas que exige da nossa parte uma preparação séria, argumentou, e foi elaborada a partir da referida negociação, uma preparação em que, após escolher bem o momento, devemos justificar de forma contrastável o motivo pelo o que consideramos merecer a mais de salário do que percebemos.

Deixe um comentário