Como assumir o controle de suas finanças pessoais com MyValue

Sempre usei folhas Excel de contabilidade pessoal, para levar a conta de minhas receitas e meus gastos, ou para ter uma visão global de minhas finanças pessoais.

Acho que todo mundo deveria levar, de algum modo, a conta de onde vai o dinheiro, como vão os seus investimentos, ou que a capacidade de poupança têm em um dado momento. São coisas básicas, mas que a maioria das pessoas desconhece por completo de sua própria situação financeira. O saber é a base para poder priorizar objetivos financeiros e poder cumpri-los.

Em qualquer caso, as folhas Excel para finanças pessoais são uma solução, mas, ao final, faz-me pesado estar todo o tempo, tomar nota de todos os custos, despesas, operações, etc., E sempre me escapa alguma coisa que não estava na minha planilha Excel. Além de que, embora seja uma coisa que você faça de um momento, leva o seu tempo.

Alguma vez eu fantasiado mentalmente, como seria um aplicativo de finanças pessoais que me desse toda essa informação de uma simples olhada. Com tudo ligado e de poucos cliques e em qualquer momento. De fato eu tenho alguma ideia a respeito, mas sempre me falta tempo e meios para chegar a isso. Não sei se algum dia eu animaré.

Bem que eu vou. Há alguns dias, cansado de tanta folha Excel e tanta história, eu comecei a investigar um pouco mais em profundidade sobre os aplicativos de finanças pessoais, que existem em Portugal e tenho vindo a testar alguma como Fintonic e MyValue. De momento quero te dar minha opinião sobre MyValue, contar-lhe o que até agora tem sido a minha experiência, que tem coisas que não têm e que as coisas que eu gostaria que melhorasse.

Por entrar um pouco na situação, vou começar por dizer que MyValue foi lançado em 2012 pela mão de uma empresa de madri, que se chama Financial Planning and Analysis S.L. criada em 2009, que desenvolveu o projeto.

Não inventaram nada de novo, porque nos EUA isso já existia, mas foram uns dos primeiros que introduziram em Portugal. Depois de todo o nosso mercado está muito mais verde para este tipo de aplicações e sempre as implementamos alguns anos mais tarde do que em mercados mais maduros, como o americano.

O que é MyValue?

Por assim dizer, de uma forma condensada, é um agregador de informação financeira. Embora, na realidade, é mais coisas, depois te conto.

Basicamente é uma aplicação que lê de coleta de dados das contas de seus bancos e as agrupa em um mesmo painel de informações que eles chamam de tabuleiro. Algo que se agradece um monte, quando se lhe acontecer como a mim, você tem muitas contas e investimentos em vários sites. Outra coisa é o dinheiro que tiver em cada site, mas contas e tal, umas quantas.

Além disso, a aplicação é capaz de identificar e categorizar a quase totalidade dos movimentos. De modo que você pode saber o quanto estas a gastar em cada tipo de recibos, ou em que categoria de despesa vai mais dinheiro etc.

Conseguiram fazer um desenvolvimento muito visual, onde você pode ver e reconhecer por ícones gastos que você fez em um supermercado, ou o emissor do recibo que você recebeu. Você pode diferenciar a categoria está a gastar mais e que é o provedor que mais dinheiro está pagando. Tem uma profundidade de informações bastante boa, o que seria impossível de obter com uma folha de Excel.

O que é o que eu mais gostei de MyValue?

Tem uma seção onde poder fazer o acompanhamento de seus investimentos, que outros agregadores não oferecem e que vêm para adicionar o serviço que lhe dão outras aplicações especializadas como Impok ou Unience.

Também é possível somar ao saldo total de suas posições, o dinheiro que você tem na sua carteira ou como haverá alguns por aí, o dinheiro que guarda em casa.

Permite gerar alertas para eventos incomuns em suas contas. Ou também se previne os recibos que vai carregar nas próximas datas. Assim como a poder estabelecer metas financeiras e de poupança, algo fundamental para o planejamento.

Uma coisa que não tinha me ocorrido, mas que também me pareceu muito prático, é ter a informação de todos os seus seguros em uma mesma folha. Como se pode fazer, mas se aparte da companhia e o valor da última prémio pago, se avisase um mês antes do vencimento do seguro, e que se oferecesse alternativas para mudá-lo, já seria o leite.

Onde está o problema de MyValue?

O problema de aplicativos de finanças pessoais como MyValue, é que eles precisam se alimentar de informações que coletam de suas contas reais. E para isso, você tem que dar seus códigos e chaves de acesso de todos os bancos que você deseja adicionar.

E claro, nem todo mundo está disposto a isso. Esse é o grande cavalo de batalha dos agregadores financeiros, a privacidade e a segurança das informações. Por mais que digam que utilizam protocolos criptografados em 256 bits, como os de bancos, a dúvida está lá.

Já não é tanto, porque MyValue possa ser vulnerável, e alguém possa operar com as suas contas e sair da pasta. Algo, em princípio, impossível sem os cartões de coordenadas e o celular do usuário. Se não que isso possa pôr a descoberto toda a sua vida financeira.

Não é nenhuma bobagem. Pensa que em casos de desaparecidos ou similar, a primeira coisa que olha a polícia é a informação bancária e os movimentos de contas e cartões. Ou quando investigam um suspeito. A pouco é que sejas uma pessoa medianamente bancarizada, você pode saber muito de sua vida simplesmente analisando suas contas no banco.

Se você tem uma ou duas contas, se expones o mesmo que expones sua vida financeira pessoal a qualquer funcionário do banco do qual é cliente e que você pode ver seus movimentos.

Postos a pensar mal, um hacker poderia também entrar no seu computador e roubar o ficheiro Excel, o que anotas as suas despesas e receitas, mas me parece um pouco absurdo.

Como ganhar dinheiro MyValue?

Até onde sei, esses aplicativos dão perdas desde os seus primórdios. Vão puxando como podem, com contribuições de capital dos associados, subsídios, algum investidor de capital de risco e ampliações de capital diversas.

Para mim a filosofia de software aberto, de uso generalizado ou marca branca independente, como eles dizem, eu gosto muito. Mas claro, eu entendo que esta gente não vive do ar e que de alguma forma têm que ganhar dinheiro. Mesmo que seja apenas egoisticamente por mim, como usuário, para que, ao cabo de pouco tempo não sumir e me deixe puxado. Ou simplesmente deixem de investir tempo e dinheiro, deixando de atualizar o aplicativo e o software.

O que acontece é que você sabe o que dizem. Se algo é de graça, é que o produto é você. E em parte é assim. Ou assim deveria ser, pois eu vejo algumas formas de monetização de MyValue, usando o big data que recolhem da amostra de consumidores do mercado que têm como usuários. Não obstante, em suas condições específicas, deixa em aberto a possibilidade de que possa ser pago. Se é uma coisa simbólica, como o Whatsapp e traz valor com outras funcionalidades, eu não veria mal pagar uma quantia pequena para o serviço.

De entrada, já que são de marca branca, devem basear-se em consultores financeiros independentes para que propagam o uso de seu serviço entre seus clientes, como base para assessoramento e tomar decisões de poupança e investimento. Especialmente com a mudança normativo que vem. Vejo muita utilidade para o mundo dos pareceres, até mesmo para a banca comercial. Embora ainda teria que polir algumas coisas.

Outra opção seria o Que processam de forma anônima meus dados? Bem, e daí? Se isso serve para que eles possam me fazer recomendações de investimento mais bem sucedidas para o meu estilo de vida e perfil financeiro ou que me agilicen o processo de concessão de um crédito ou hipoteca, porque a máquina ao ter toda a minha vida financeira, me atribui uma pontuação onde o estudo e aprovação são automáticos. Ou que me sugiram alterar o seguro do carro, da companhia móvel ou de electricidade, porque assim me poupar dinheiro. Tudo, desde que seja uma proposta totalmente independente e não interessado.

É dizer, isso é como tudo. Uma ferramenta bem utilizada pode ser muito útil ou muito perigosa. Aqui acontece o mesmo.

Mas, se a própria aplicação-me oferecesse 15 dias antes do vencimento de um prazo fixo, as cinco ofertas mais competitivas ou cinco propostas para alterar o seguro do meu carro um mês antes de vencer ou de outras propostas que podem me interessar, vale a pena facultar a sua informação bancária.
Também podem fazer o mesmo que fizeram na Mooverang, baseado nas páginas de cupons ou o marketing de afiliação. Uma vez MyValue tem toda a sua informação financeira, você pode oferecer para fazer as suas compras online através de seu site ou sua loja virtual com as empresas com as quais tem acordos. Você se beneficia de um desconto ou uma devolução de compra e eles ganham uma comissão. Todos ganham.

O que melhoraria de MyValue?

Para mim, o fundamental é que me permitisse gerar um relatório global detalhado ou relatório periódico, que pudesse arquivo em pdf.

Com um resumo de todos os saldos por tipo de produto, rentabilidade dos investimentos, vencimentos de seguros e outras informações relevantes, como a evolução de meu patrimônio, as posições de maior despesa, que é a minha taxa de poupança estimada, como vão meus objetivos financeiros ou que me informe se a tendência e evolução de minhas finanças pode conducirme à falência, assim como a minha capacidade de pagamento e endividamento nesse momento. Por pedir que ele não seja verdade?

Também não pode faltar um pouco mais de interação com os usuários e dar mais típico e retro ao blog, que tem morto a partir de 2014. Ou criar um fórum de discussão sobre produtos financeiros tipo Rankia, para lhe dar mais valor.

Como é muita utopia, mas do meu ponto de vista, a aplicação de finanças pessoais idílica, seria uma mistura entre MyValue com uma seção de acompanhamento de investimentos melhorado como o de Impok, que fosse um roboadvisor tipo FeelCapital com propostas de poupança e investimento, com um comprador de produtos não só financeiro tipo iAhorro e que, além disso, integre, lojas online com cupons de desconto.

Se alguém faz algo assim, eu garanto que vou usar. Eu gostaria de poder desenvolvê-lo eu mesmo, mas, como eu sei o telhado que há por trás para montar uma coisa dessas, o lançou ao ar para ver se há algum fintech que se anime com isso. Além disso, seria um modelo de negócio rentável sem a necessidade de cobrar ao usuário, onde os fornecedores de serviços podem vender mais e melhor a um público anónimo preciso e mais segmentado, o que melhoraria a satisfação dos clientes. E, por certo, seria uma aplicação totalmente nova que aglutinaría um tudo-em-um.

Por enquanto eu fico com MyValue, que é o mais completo que eu achei. Seu que você acha, O utilizarías? Você daria as chaves de seus bancos a um agregador?

Deixe um comentário