Como alcançar o bem-estar financeiro

Se você já é um dos que observou seriamente a crise no bolso, pode ser o momento de planificar uma série de coisas para poder estabilizar suas finanças diárias diante de situações piores que possam ser, esperemos que não, mas mais vale prevenir do que remediar.
Que passos deve dar para conseguir um bem-estar financeiro ou, pelo menos, estar mais tranquilo com a possibilidade de que se acontecer algum gasto imprevisto importante?
Basicamente em sua mão estão quatro possíveis atuações:
Reduzir gastos desnecessários e aprender a economizar o necessário.
Evitar, na medida do possível pedir emprestado.
Investir as economias com um pouco de cabeça.
Criar um colchão de tranquilidade.
Reduzir gastos desnecessários e aprender a economizar o necessário
Os cafelitos desnecessários para fora de hora, fumar, sair para jantar fora todos os fins-de-semana, etc. Despesas dos quais podemos prescindir para se viver e que, embora não se acredite, representam uma poupança considerável no final do ano.
O costume de tomar um cafelito depois de comer no bar debaixo de casa supõe um ganho médio de 25 reaispor mês, o que corresponde a 300 reaispor ano. Se você é mileurista, é fácil ver que reduz o gasto anual de 4%, muito mais do que sobe seu salário. Já para não falar dos números que saem se o que você parar de fumar….
Mas não pode apenas reduzir custos, eliminando o desnecessário. Pode também reduzir os gastos com as necessidades do dia-a-dia: compare o que ganham os diferentes fornecedores de água, luz, gás, Internet ou telefonia móvel, o carrinho de compras, mudando de supermercado e muito mais.
É claro que há coisas em que você tem que gastar se, por exemplo, a luz você tem que ter, mas pode ser que pelo simples fato de mudar para a oferta do melhor fornecedor se suponha por ano uma economia interessante na fatura.
“3029”]
Evitar, na medida do possível pedir emprestado
Se você pode suportar o dia-a-dia, sem pedir dinheiro a ninguém, e menos a uma instituição financeira, muito melhor. E você sabe porque?
1. Porque cada dia é mais difícil que alguém se preste.
2. Porque o recorrer a pedir emprestado, não deixa de ser um círculo vicioso, a não ser que você saiba se controlar. Puxar “cartão” a crédito, a menos que você tenha um controle exato do que você gasta, é apertar um pouco mais a corda ao pescoço. O dinheiro tem que devolvê-lo sempre mais os juros, que podem supor uma quantidade difícil de assumir.
3. O pedir emprestado é sinônimo de que algo deve colocar em garantia do dinheiro emprestado. ¡¡Muito cuidado com isso!! Em menos que canta um galo verá como o pouco que tem é executado por não manter um bom controle de suas finanças.
Sempre é melhor reduzir gastos desnecessários que pedir emprestado para poder continuar mantendo estes. Se você tem que endeudarte para poder realizar os gastos necessários do mês, você deve ter muito cuidado e um controle exato de tudo em qualquer momento e, na medida que puder, ir cancelando a dívida que você tenha o mais breve possível para poupar os interesses.
Investir as economias com um pouco de cabeça
Se você é dos que tem economias, estou muito feliz. ¡¡Pois não os dilapides!! Se você quer ter tranquilidade em suas economias vá para o seguro. Adquira produtos que já teve e que lhe têm dado bons resultados antes. Pode ser que não lhe dão muita rentabilidade, mas sim te darão tranquilidade.
Se quiser ter alguma rentabilidade na poupança, você deve estar ciente que a rentabilidade é maior, sempre que considere riscos, você está na situação de assumir riscos?
Em caso de que ao final pretende investir neste tipo de produtos, vai para aqueles em que o único risco está na rentabilidade, que pode ser maior ou menor, mas que sempre te garantam a devolução de 100% de suas economias quando chegar o vencimento do produto adquirido.
Não se deixe enganar por “cantos de sereia” de produtos sem risco que dêem grandes rentabilidades: ¡¡não existem!! A alta rentabilidade, se dão por algo, ninguém dá rígidos quatro pesetas.
Não confie em “pés juntillas” o que te diz o comercial que se quer “colocar” no produto de poupança determinado. Antes de escolher aprenda tudo o que puder. Ser cuidadoso e cauteloso, você evitará dores de cabeça no futuro.
Criar um colchão de tranquilidade
Unido ao que lhe disse antes, você tenta sempre ter algo de suas economias em algum produto do estilo “colchão financeiro”.
Além de que não corra risco, faz com que uma parte de suas economias, seja para planejar problemas a mais de um ano. Planos de poupança, fundos garantidos, seguros de poupança-vida e outras diferentes alternativas que se adaptam melhora a cada um de nós de acordo com nossas peculiaridades econômicas.
Se você não pode pensar em prazos superiores a um ano, e tente fazer com que suas economias se separem, ou seja, para o pagamento das coisas do dia-a-dia tenha uma conta, e que pode ir economizando não deixe junto a esse dinheiro, porque se dará certamente a tentação de usá-lo. Se não o tem em vista, menos risco de gastá-lo.
Outro conselho que te posso dar para ganhar tranquilidade é o de contratar um seguro de cobertura de dívidas.
Ou seja, se você tem uma hipoteca ou um empréstimo, você pode planejar a possibilidade de ligar um seguro a essas dívidas, com o que se passasse algo não desejável, que pode ficar no desemprego, por exemplo, que o seguro cubra esses pagamentos de retorno que você tem que fazer mês a mês.
Mesmo, de certeza que está mais tranquilo financeiramente se você tem um seguro que em caso de falecimento evite que o que você tem que pagar a sua família.
Todas essas dicas é claro que precisam de uma situação financeira inicial aceitável entre aspas, já que de pouco vale a pena pensar em seguros, mas tem dinheiro para pagar o recibo da luz ao final do mês.
Muitas das coisas que eu comentei podem atender a todos os perfis, com o qual só tens de saber quais são as medidas e saber quais são seus hábitos de vida e colocá-las em prática. Seguro que aumentam a sua tranquilidade financeira. Esperamos prazer as suas perguntas e comentários.

Deixe um comentário