10 Erros mais comuns do empresário Pme (CONDUSEF)

Em seguida, apresentamos os 10 erros mais comuns que acabam com a vida das pequenas e médias EMPRESAS:
AUSÊNCIA DE UMA CULTURA EMPRESARIAL: A maioria das pequenas e médias EMPRESAS poucas vezes se colocam qual é a sua missão, visão e valores. São empresas que não se questionam por que existem como organização?, por que nos compram os clientes?, qual é o nosso objetivo?, quais são os nossos valores? O não considerar o anterior e muito menos, não ter uma resposta sobre isso, envia mensagens confusas para clientes, fornecedores e funcionários sobre quem você é como uma empresa e para onde te diriges.

FALTA DE ANÁLISE ESTRATÉGICA: Muitas PYMESinician atividades ou abordam o mercado com o que eles acreditam que precisam e não com o que exigem, na verdade. Ignoram oportunidades que podem ser exploradas, como por exemplo, a simplificação de procedimentos ou eliminação de tarifas alfandegárias, e ignorar aspectos que podem acabar com eles, maior concorrência, produtos inovadores, escassez de mão-de-obra qualificada ou dificuldades para se fazer de matérias-primas.
Um bom exercício consiste em questione coisas como que necessidade satisfaz o meu produto ou serviço?, o que tem o meu produto ou serviço?, você é único ou especial?, o que fará o meu produto ou serviço para meus clientes?, o que não fazer?, o que você pode fazer depois, que não está fazendo agora?
Também é importante investigar o perfil de seu mercado e de seus consumidores com perguntas como: onde estão os meus clientes?, de onde vêm?, qual é a sua renda?, como comprar?, a que preço?, em que quantidade?, quando compram?, quem são meus concorrentes?, onde estão?, quão fortes são? e há lugar para mais concorrentes?, sem esquecer o tema dos riscos que pode enfrentar sua empresa.
MÁ ADMINISTRAÇÃO: A má administração do negócio é uma das principais causas do fracasso das pequenas e médias Empresas. Muitas empresas surgem de um palpite, mais do que de um conhecimento significativo do negócio e suas características.

Perante este panorama, a formação em administração apresenta-se como essa plataforma que necessitam de muitas pequenas e médias Empresas para competir não só no mercado doméstico, mas também para olhar para o exterior.
INCOMPETÊNCIA PESSOAL: São muitas as empresas que fracassam devido à incompetência do proprietário para levar as rédeas de um negócio. Para isso uma boa dica é recorrer aos famosos simuladores de negócios que irão ajudá-lo a avaliar o quão preparado você está para dar o grande salto de empregada empresária.
A Secretaria de Economia em sua página web, www.economia.gob.mx através de Contato PME www.contactopyme.gob.mx e instituições como a Nacional Financeira contam com a informação interessante, “novos empreendedores”. É recomendável que você treina, conhecer a fundo o seu produto, estar sempre próximo de seus clientes e mantê-lo alerta às mudanças do mercado. Só assim você vai conseguir se destacar em um ambiente de negócios.
ACREDITAR TODÓLOGO: Outro erro comum de quem começa no mundo dos negócios é brincar de ser “todólogo” por muito tempo, já que resta à empresa a oportunidade de crescer a partir de uma falta ou ausência de pensamento estratégico de seu dono ou de director-geral.
É claro que muitas empresas começam assim, sendo empresas de um só homem, mas o erro está em continuar assim ao longo do tempo. “O barato sai caro” não contar com as pessoas certas e assumir que tudo o que fazes tu pode causar mais problemas do que economia.
O ideal é que na primeira oportunidade de contratar o pessoal que necessita para contabilidade, produção, vendas, recepção, logística, etc, o que irá ajudá-lo a concentrar as suas energias para a memória do seu negócio, detectar as oportunidades e aproveitá-las em seu momento.
MÁ PREVISÃO FINANCEIRA: Com mais frequência do que se pensa, os empresários caem na armadilha da falta de planejamento financeiro, pois não sabiam com antecedência os fundos necessários para pôr em marcha a empresa e como vão obter o capital. Por isso, há que definir previamente a estrutura financeira da empresa e fazer uma previsão de seu retorno a médio prazo.
Não é aconselhável concentrar-se somente em antecipar os investimentos em ativo fixo. Contempla, também, as despesas de capital de trabalho e possíveis custos derivados de oportunidades que oferece o mercado, como um desconto especial para pagamento antecipado ou a compra de uma remessa a um preço de oferta.
ADQUIRIR DÍVIDAS SEM PREVISÃO:É importante ter em conta que o crédito nem sempre é a solução para pequenas e médias empresas. É importante definir qual é o nosso objetivo, como isso pode ser feito e se é crédito ou não, como vamos conseguir. É necessário fazer e com disciplina dar seguimento ao orçamento que fazemos.
É aconselhável também definir se não há outros mecanismos de financiamento, porque às vezes o que é necessário é capital (sócios) e não crédito e, se esta for a opção, deve estar bem definido, como se explorasse e que consequências terá, em cada caso.

CENTRALIZAR O PODER: estima-Se que por cada seis empresas que são criadas na primeira geração, apenas uma chegará à terceira geração, é dizer que dificilmente uma empresa criada agora, vai ser administrada ao longo do tempo dos netos.
É aconselhável levar em conta conflitos relacionados com a autoridade, o manejo dos recursos, os planos de compensação, o valor do trabalho e a sucessão que, somados a questões emocionais, fazem com que a empresa familiar que não se administre corretamente pode se tornar um problema.
Recomenda-Se definir regras jurídicas e morais, para descentralizar o poder e buscar a profissionalização da instituição. Fazer com que a empresa tenha vida própria, que não depende de uma ou duas pessoas e isso significa construir órgãos de governo que garantam a capacidade de os novos proprietários à medida que se vão incorporando e a disposição desses proprietários a cuidar da empresa, tanto como fez o fundador.

AUSÊNCIA DE CONTROLES: É importante ter medidas de controle, caso contrário, você terá falhas na operação de sua organização. Há que ter o controle de despesas, controle de vendas, controle de estoque, controle de produção e assim por diante. Assim como ter o dia dos manuais de operação (aquilo de que se vá um funcionário levando consigo o capital intelectual) e toda a documentação da empresa em regra.

FALTA DE PLANEJAMENTO: Com freqüência as pequenas e médias EMPRESAS não contemplam o tema de planejamento. Vão resolvendo as coisas, segundo se apresentam sem perceber que esta forma de trabalhar limita muito o crescimento da empresa.
As atividades de planejamento indicam que você quer alcançar na empresa, e como se propõe alcançar. Para isso, você deve responder com sinceridade: por que eu acho que devem dar-se as vendas?, quais os elementos que eu tenho para que as vendas ocorram?, como a situação do mercado é ideal para alcançá-lo?, qual é o momento certo para vender ou oferecer esses produtos ou serviços?
Em caso de que se dedique à fabricação também deve ter o controle da produção: de que tamanho deve ser a minha planta?, como deve ser distribuída?, o que de máquinas e equipamentos exijo?, como vou afetar o meio ambiente, controlar os desperdícios, quais serão meus controles de qualidade, que manuseio darei aos inventários?

Postado Por:
CONDUSEF
http://www.condusef.gob.mx/index.php/empresario-pyme-como-usuarios-de-servicios-financieros/548-errores-mas-comunes-del-empresario-pyme
Última atualização em Sexta-feira, 19 de Julho de 2013 22:55
Imagem:
Woman And Glasses by George Hodan

Receba os Nossos artigos em sua caixa de correio electrónico. Junte-se a nossa comunidade, é grátis.

Nome

Endereço de email: